Dizer que alguém só toca com a mente ou só com o coração é um grande equivoco, um mito eu diria. Usamos tudo o tempo inteiro, assim como já está comprovado que usamos o cérebro em todo seu potencial o tempo inteiro e não apenas 10% ou algo parecido. 
O problema é que certas frases viram padrões de pensamento coletivo. Ninguém faz música apenas com sentimento ou apenas raciocinando, e mesmo assim o que faz a gente se sensibilizar tem influência cultural e de percepção individual. 
Pode ser polêmico esse pensamento, mas prefiro sempre questionar do que aceitar conceitos da opinião popular.
Taí dos nomes Chet Baker e Michael Brecker, grandes nomes que no inconsciente coletivo atraem diferentes opiniões sobre seus nomes e estilos. Mas essa mistura me ajuda em minha opinião, pois o assunto e objetivo ai é a música em primeiro plano. Vemos claramente o exercício da mente e do coração dos dois músicos e tudo se misturando no grande resultado final que é a energia do tema. 

"Os contrastes quando se somam podem convergir em um grande resultado."